terça-feira, 18 de julho de 2017

Guerra que ninguém quer ver e a Entropia Social



Novo Rosto do Brasil?






Essa foto acima é de imagens recentes que estão nas redes sociais que mostram uma execução dentro de um presídio devido a disputa entre facções,  deixando claro que estão adotando técnicas de terror semelhante as  do Grupo do Estado Islâmico (ISIS), para espalhar o terror entre os inimigos e população. Entre 2011 e 2015, o Brasil teve um total de 278.839 assassinatos. Só no ano passado, uma pessoa foi morta a cada nove minutos no país, ou seja nesses cinco anos, na Síria , entre março de 2011 e novembro de 2015, a guerra causou 256.124 mortes, segundo estimativa da Agência da Organização das Nações Unidas para os Refugiados.



 A violência no Brasil matou mais que a guerra na Síria. Hoje vemos centenas de policiais que são nossos combatentes,  homens e mulheres morrendo no dia a dia nessa luta, bem como cidadãos de bens e seus familiares, filhos, país, irmãos. Não vemos ONGs, ou igrejas auxiliando as vitimas dessa guerra, porém vemos muitas matérias de que a policia brasileira é a que mais mata em serviço ou na folga, só que eles esquecem de acrescentar que esses mortos não são cidadãos, são soldados do crime que estão caçando cidadãos e policiais, e cada vez mais leva a violência a outros níveis, visto apenas em países em guerra.  Pesquisa do Instituto Sou da Paz que analisou morte de policiais constatou que houve um aumento de 16% no número de morte de policiais no último ano em São Paulo. 7 em cada 10 policiais mortos estavam fora de serviço. 99% eram homens e 60% estavam sozinhos na hora da abordagem. Dados do Anuário de Segurança Pública mostram que 393 policiais foram mortos no Brasil em 2015, ou seja, mais de um policial por dia.




O Brasil atualmente tem oitenta e três facções criminosas, segundo pesquisas, todas em guerra por território, fora milhares de dependentes químicos que realizam, roubos, furtos e invasão a residências em busca de valores para saciar o seu vicio. Seria justo dizer que nesse ritmo a cada ano centenas de jovens sendo aliciados pelo crime, a nossa sociedade estaria correndo para um colapso.

Conclusão

Essa entropia inevitável só seria evitada se houvesse uma reforma em toda a estrutura legal., já que nosso código penal é de 1941. Países como o Reino Unido possuem prisão perpétua algo que poderia estar presente no Brasil para um número muito restrito de crimes hediondos, dentre os quais a morte de policial. É preciso ter um sistema efetivo de penas alternativas no Brasil da mesma forma que precisamos ter penas mais duras para criminosos crimes hediondos. Muitas vezes, a família de policiais mortos enfrenta dificuldades para conseguira indenização do Estado. Outra medida importante seria  uma campanha de conscientização nas escolas, para diminuir o número de recrutamento de soldados no crime. O tráfico de drogas é o crime mais cometido por adolescentes no Brasil.  Só em 2016, foram quase 60 mil ocorrências registradas pelas Varas de Infância e Juventude. Esses adolescentes respondem hoje por 249,9 mil atos infracionais, já que uma mesma pessoa pode responder por mais de um delito. Só por roubo qualificado, que encabeça a segunda posição no ranking de crimes mais cometidos por adolescentes entre 12 e 17 anos de idade, são 51,4 mil ocorrências. Outro ponto importante seria juntamente  uma reforma no ensino, bem como investimento nas pequenas, média e grandes empresas, assim como no setor agropecuarista para gerar empregos para gerações futuras. Uma reforma em toda infraestrutura e conduta moral do cidadão, talvez seja a única chance de evitar o colapso. A mudança e a vitória nessa guerra urbana, depende de cada um de nós, por meio de nossas escolhas e o que transmitimos aos jovens.

                     Veja o vídeo abaixo e entenda o tipo de Guerra que as famílias enfrentam hoje:


video


                                                                                       Marcos A. R. Santos



Noticias Relacionadas:





video


Visite:



Twiter: https://twitter.com/MarsSurviver

Nenhum comentário:

Postar um comentário